PERGUNTAS & RESPOSTAS


  • Qual a enfermidade que mais acomete o quadril?
    A artrose, que é a doença mais freqüente nessa articulação.

  • Uma pessoa que caminha ou corre normalmente e, de repente, começa a sentir dor na virilha, pode estar com alguma problema no quadril?
    Sim, dependendo da idade ela pode estar com artrose ou com a Síndrome do Impacto Femoroacetabular.

  • Quando o quadril começa a doer sem mais nem menos, é preciso consultar logo o médico?
    É muito importante diagnosticar precocemente qualquer desordem articular no quadril. Procurando um especialista logo no início dos sintomas tanto o tratamento quanto a própria recuperação do paciente serão bem mais simples.

  • O que fazer quando uma criança de colo tem febre alta e chora quando se toca ou tenta mover o quadril?
    A criança poderá estar com artrite séptica, doença grave que pode muitas vezes deixar seqüelas graves no quadril. Deve-se procurar um serviço de emergência ortopédica ou pediátrica imediatamente.

  • Uma pessoa idosa que sofre um tombo, não consegue andar e fica com a perna rodada para fora, o que pode ser?
    Esta pessoa pode ter sofrido uma fratura do colo do fêmur ou trocanteriana e necessitar de atendimento imediato. Geralmente precisará ser operada nas primeiras 24 a 48 horas.

  • Se a pessoa costuma acordar com muita dor e dificuldade em mover os quadris, que melhoram durante o dia e com os movimentos, o que pode ser?
    Esta pessoa pode ser portadora de algum tipo de artrite, provavelmente a Artrite Reumatóide. Ela irá necessitar, após a confirmação do diagnóstico, de tratamentos específicos para esta enfermidade.

  • Se depois de uma queda o quadril começa a doer e a pessoa não conseguir firmar a perna no chão, deve forçar?
    Nunca se deve forçar o apoio após uma queda em que haja suspeita de fratura, pois se ela for incompleta ou sem desvio, se o paciente pisar acabará completando ou provocando desvio dos fragmentos, o que irá tornar o tratamento mais difícil. Em caso de dúvida, é preferível mantê-lo em repouso absoluto até a chegada de socorro médico.

  • No caso de uma artrose de quadril em que o médico indicou prótese, o que é melhor: operar logo ou esperar que a doença progrida?
    Depende da dor e da limitação de movimentos da pessoa. Se estiver havendo dificuldades no dia-a-dia é melhor operar e resolver logo o problema.

  • Qualquer médico está capacitado a operar o quadril?
    O ortopedista que tenha realizado residência oficial e sido aprovado junto à SBOT (Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia) está qualificado a realizar cirurgias no aparelho locomotor. Com a evolução da medicina surgiram sub-especialidades dentro da Ortopedia, entre as quais a Cirurgia do Quadril, dedicada exclusivamente a diagnosticar e tratar as patologias que acometem a articulação coxo-femoral.

  • Em que situações está indicada a artroscopia do quadril?
    A artroscopia do quadril é indicada nos tratamentos de atletas jovens com suspeita ou confirmação de Síndrome do Impacto Femoroacetabular e também para o esclarecimento diagnóstico de outras patologias em qualquer faixa etária.

  • Um paciente jovem que precise colocar uma prótese no quadril deve esperar completar que idade para fazer a cirurgia?
    Após o final do crescimento, em torno dos 19 anos, já é possivel colocar uma prótese.

  • Uma criança com luxação congênita do quadril deve começar o tratamento com quantos anos?
    A luxação congênita do quadril deve ser tratada logo ao nascer. Quanto antes, melhor.

  • O que é Doença de Legg-Perthes?
    Legg-Perthes é uma doença que atinge a cabeça do fêmur em crianças, podendo deixar seqüelas para o resto da vida.

  • É verdade que a cabeça do fêmur pode "morrer" por falta de circulação sanguínea?
    Sim, tanto na criança quanto no adulto. É a chamada necrose da cabeça do fêmur.

  • A imprensa vive falando em "Síndrome do Impacto". É uma doença nova?
    Não, apenas os conceitos para o diagnóstico da Síndrome do Impacto são recentes, pois foram definidos há poucos anos.

  • Como saber se alguém é portador de uma hérnia de disco e não da "Síndrome do Piriforme"?
    A pessoa precisa ser avaliada pelo especialista em quadril e através de exames clínicos e de imagem pode-se chegar ao diagnóstico da Síndrome do Piriforme.

  • Nunca senti nada no quadril, mas quando comecei a praticar exercícios na academia para reforçar os glúteos tive de interromper por causa de uma forte dor nas nádegas. Isso é normal?
    Não, você pode estar com uma compressão do nervo ciático, ao nível da nádega. É a chamada Síndrome do Piriforme.

  • Quando meu filho anda, os amigos dizem que ele caminha com os pés "dez para as duas". O que isso significa?
    Que ele apresenta uma torção da parte superior do fêmur próxima ao quadril, chamada de retroversão.

  • Sou portadora de artrose no quadril direito e tomo um a dois comprimidos de anti-inflamatórios todos os dias. Estou fazendo a coisa certa?
    Os anti-inflamatórios não devem ser usados sem rigoroso acompanhamento médico, pois podem provocar efeitos secundários bastante sérios. Se a dor é persistente, já dura mais do que seis meses e está atrapalhando suas atividades, vale a pena conversar com um especialista sobre a possibilidade de colocação de uma prótese.
    Para saber tudo sobre próteses, basta clicar nos links sobre este tema: pessoas até 50 anos, pessoas de 50 até 70 anos, pessoas acima de 70 anos, próteses cimentadas, próteses não cimentadas e substituição de próteses.

  • Com quantos anos de uso uma prótese do quadril precisa ser trocada?
    Depende do desgaste, mas em média as próteses colocadas nos anos 80 duravam cerca de 10 a 15 anos. As mais modernas já estão sendo fabricadas para durar o maior tempo possível. A substituição da prótese deve ser avaliada pelo médico.

  • Quem coloca prótese no quadril pode andar, dançar e praticar esportes?
    Dependendo da idade e da prótese, pode.

  • Qual a melhor prótese, a metálica ou a de cerâmica?
    Nos jovens a de cerâmica pode durar mais, mas a metal-metal tem a mesma durabilidade da cerâmica e maior estabilidade, permitindo maior atividade.

  • Qual a diferença entre a prótese parcial e total?
    A parcial é a substituição só do componente femoral, sem tocar na bacia.
    Na prótese total há uma substituição dos componentes articulares do fêmur e da bacia.

  • Por que a cicatriz da cirurgia para colocação de prótese é tão extensa?
    Não é mais. Hoje são realizadas cirurgias com incisões mínimas, que medem apenas entre 5 e 10 cm, em comparação aos 20 cm das cicatrizes tradicionais.

  • É verdade que existe uma técnica de colocação de prótese que permite ao doente levantar e andar no dia seguinte à cirurgia?
    Sim. Levantar no dia seguinte e andar é essencial para uma boa recuperação.
    Em alguns casos selecionados a pessoa poderá até ir embora para casa no dia seguinte. Mas em média a permanência hospitalar é de dois dias após a cirurgia.
 
     
  Web Design Labore Comunicação